Destaque

Plenário Sindical (On-Line) de Trabalhadores/as Sector Corticeiro - 27 Fevereiro 2021 - 14h30

12 de Fevereiro de 2021

Nesta época de isolamento, o Sindicato continua junto dos trabalhadores.
Com um plenário online, onde poderás discutir a situação no sector, ideias para a proposta reivindicativa 2021, partilhar a tua situação e dúvidas.
 
As inscrições efectuam-se até ao dia 26/02, com o preenchimento do pequeno formulário, através da ligação:
 
Unidos somos mais fortes…
 

Artur Pastor (1922-1999)

12 de Fevereiro de 2021

O Sindicato tem a honra de partilhar o espólio fotográfico do fotógrafo alentejano Artur Pastor (1922-1999), que com as suas fotos demonstra o setor da cortiça no anos 50/60.
Deixamos o link, para conhecerem o seu legado, entre variadíssimas fotos de e sobre Portugal:

S.O.C.N. - Estado de Emergência

18 de Janeiro de 2021

Em casos importantes/urgentes contacte: 919690439 ou geral@socn.pt

 

Mulheres Trabalhadoras Na Luta!!!

13 de Janeiro de 2021

Este vídeo representa um pequeno registo simbólico do grande reconhecimento às mulheres trabalhadoras que nos tempos recentes, incluindo na pandemia, não desistem de lutar pela proteção da saúde, pelo emprego com direitos e sem discriminações.
 
A luta continua em 2021!
 
FONTE: CGTP-IN

Abaixo-Assinado Diuturnidades Corticeiros

01 de Janeiro de 2021

Os Operários e Operárias da indústria da CORTIÇA reclamam o direito a receber DIUTURNIDADES, a partir de 2021, tal como já acontece com outras categorias profissionais Corticeiras, com base na respectiva antiguidade.

Diuturnidades para Todos. Sem Discriminação.

Assina o Abaixo-Assinado junto do teu Delegado ou Dirigente Sindical, na Sede do Sindicato, ou na impossibilidade de tal, assina on-line na petição pública.

Não baixes os braços, diz não à discriminação, unidos somos mais fortes.

A FORÇA DA RAZÃO, É A RAZÃO DAS NOSSAS LUTAS!

Subscreva On-line em: https://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT103994

Impresso: Abaixo-Assinado

Tribunal Constitucional confirma assédio moral a empregada de corticeira

12 de Novembro de 2020

FONTE: CGTP-IN

O Tribunal Constitucional confirmou a decisão do Tribunal do Trabalho (TT) da Feira sobre a coima de 30 mil euros aplicada à empresa Fernando Couto – Cortiças, S.A., relativa a assédio moral sobre a trabalhadora Cristina Tavares. A corticeira terá, ainda, que responder por um processo crime denunciado pelo sindicato e ACT.

Ficam assim esgotados os recursos que empresa de Paços de Brandão levou a efeito nos últimos tempos para evitar o pagamento efetivo desta coima.

Ao JN, o Sindicato dos Operários Corticeiros do Norte confirmou que o processo de assédio moral que, em primeira instância, condenou a Fernando Couto, S.A. “transitou agora em julgado, após vários recursos e reclamações”.

Motivo que leva o Sindicato a considerar que ficou “definitivamente provado que a operária corticeira, Cristina Tavares, foi vítima de assédio moral por parte da empresa”.

A par desta decisão tinha já transitado em julgado uma outra, que condenou a empresa no pagamento de uma coima de cerca de seis mil euros em matéria de violações de saúde e segurança no trabalho.

Estão a correr ainda no TT da Feira duas ações judiciais que implicam a referida empresa.

Uma impugnação judicial deduzida pela empresa face a uma contraordenação aplicada pela ACT, no valor de 11 mil euros, por ter entendido que o segundo despedimento da Cristina Tavares foi abusivo.

Acresce uma segunda ação judicial intentada pela Cristina Tavares no qual pede uma indemnização à corticeira, por danos morais sofridos em consequência do assédio laboral.

Por último, está ainda em fase de inquérito no Departamento de Investigação e Ação Penal da Feira um processo crime que corre contra a empresa e seus administradores após factos denunciados pelo Sindicato e pela ACT decorrentes do assédio moral.

“Esta decisão não surpreendeu o Sindicato na medida em que sempre fomos conhecedores dos factos relatados pela trabalhadora e pelas nossas fontes dentro da empresa e confirmados pela ACT”, afirmou o coordenador do sindicato, Alírio Martins, reiterando que o assédio moral “ficou definitivamente provado”.

“Acreditamos que a justiça continuará a dar uma resposta adequada, independente e imparcial nos restantes processos ainda em curso.”

Para o advogado do Sindicato, Filipe Soares Pereira, esta decisão “é o culminar do que estava completamente decidido na primeira instância, cuja fundamentação já se afigurava completamente assertiva perante toda a prova produzida”.

 

https://www.jn.pt/economia/tribunal-constitucional-confirma-assedio-moral-a-empregada-de-corticeira-13027060.html?fbclid=IwAR2vVnHGxStypaqKmw6nGRDA9F69y8e8wvDG2irk3VgTRquUrDFwqCku9Cs

FONTE: In “Jornal de Noticias” 12.11.2020 – Salomão Rodrigues

Informações/Sugestões Email: geral@socn.pt